Curso de Graduação em Pedagogia
  • NOTA DE REPÚDIO DO NDE E COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

    Publicado em 01/11/2018 às 13:24

    SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

    MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

    UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

    CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

    Coordenadoria do Curso de Graduação em Pedagogia

    Campus Prof. João David Ferreira Lima – CEP 88040-900

    Trindade – Florianópolis – Santa Catarina – Brasil

    www.pedagogia.ufsc.br / +55 (48) 3721-3576 mail: pedagogia@contato.ufsc.br

     

     

    NOTA DE REPÚDIO

    DO NDE E COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

     

    O Colegiado e o Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso de Pedagogia da Universidade Federal de Santa Catarina vem a público manifestar seu profundo respeito aos professores de todos os níveis educacionais e seu repúdio à declaração realizada em 28 de outubro do corrente ano por Ana Caroline Campagnolo – eleita por Santa Catarina para o mandato de Deputada Estadual, pelo partido PSL, para a legislatura de 2019-2022 –, incitando estudantes a filmarem seus professores e denunciá-los por suposta doutrinação no período após as eleições.

    É uma irresponsabilidade instaurar um clima de desconfiança transmitindo à comunidade em geral e, especialmente às crianças e aos jovens estudantes, a noção de que professores não são confiáveis e que podem ser desrespeitados. Essa atitude afronta a Constituição, a liberdade de cátedra e, além disso, prejudica os alunos, não estimula o diálogo e o estabelecimento de vínculos como dimensões essenciais da prática pedagógica.

    A Constituição Federal, em seu capítulo sobre a Educação, especialmente nos Artigos 205 e 206, estabelece que a educação visa o pleno desenvolvimento da pessoa e seu preparo para o exercício da cidadania. Dispõe como princípios a liberdade de aprender, de ensinar, de pesquisar e de divulgar o pensamento, a arte, o saber e o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei nº 9.394/96) reforça os princípios acima e acrescenta o respeito à liberdade e o apreço à tolerância, a vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais e a consideração com a diversidade étnico-racial.

    Analisar e compreender a realidade social e relacionar os conteúdos escolares com o contexto histórico, político, cultural e econômico é fundamental para o desenvolvimento e formação de todos os educandos e inerente ao trabalho docente, não pode, portanto, ser condenado. A tentativa de coagir, induzir os alunos a desconfiar do professor e infringir a legislação, tornando a sala de aula um ambiente hostil, é assédio, prejudica o ensino e a aprendizagem e atinge o direito dos alunos à educação. Na escola se ensina história para compreender o mundo em que vivemos e para não se repetir os erros do passado, preza-se pelo desenvolvimento das mais básicas relações de respeito mútuo e de diálogo. Isso deve ser mantido e defendido!

    É lamentável, a atuação desta deputada que revela o quanto ignora e desrespeita a legislação, os educadores e os estudantes.

    Diante disso, apoiamos os docentes em sua luta histórica por melhores condições de trabalho, valorização salarial e profissional e respeito. Repudiamos o referido ato da deputada eleita, esperando que medidas legais cabíveis sejam tomadas pelas autoridades, a fim de impedir a reincidência deste tipo de ação.

     

    Florianópolis, 31 de outubro de 2018.

     

     

    COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

    NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE

    DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA


  • Retorno das atividades do Curso de Pedagogia

    Publicado em 29/10/2018 às 9:34

    Bom dia a todxs

    Lembrando que hoje dia 29 de outubro, retornamos as atividades do curso.

    Sejam todxs bem vindos!


  • Projeto Aprendizagem da Docência

    Publicado em 25/10/2018 às 13:57

    O Projeto Aprendizagem da Docência (PAD) convida:

    Durante este segundo semestre de 2018 o Projeto Aprendizagem da Docência (PAD) está realizando oficinas, palestras e minicursos para os estudantes e atuantes em Licenciaturas, com o intuito de agregar a formação. Todos as atividades são gratuitas e a carga horária poderá ser contabilizada para as Atividades Científicas Culturais. As inscrições devem ser realizadas no site do Projeto.

    Em anexo você encontra a nossa agenda de próximos eventos. Abra e descubra!

    Em caso de dúvidas entre em contato:

    Nosso site: https://padnepegeo.wixsite.com/-pad

    E-mail: padnepegeo@gmail.com


  • NOTA DO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

    Publicado em 16/10/2018 às 18:46

    carta do colegiado frente a conjuntura política


  • Semana da Pedagogia

    Publicado em 21/09/2018 às 12:35

    Programação da Semana da Pedagogia que ocorre entre 24 e 28 de setembro.

    Semana da Pedagogia 2018


  • Grupo de Leitura e Estudos Mortimer Adler

    Publicado em 24/08/2018 às 14:39

    Grupo de Leitura Pensar as Gdes Ideias


  • Horário 2018.2 (com atualização das salas)

    Publicado em 16/08/2018 às 11:54

    HORÁRIO 2018 2_versão 14 (com atualização das salas)


  • Reunião ampliada no dia 03 de julho de 2018

    Publicado em 03/07/2018 às 16:29

    Convite Reunião


  • ATENÇÃO ACADÊMICAS/OS DA PEDAGOGIA

    Publicado em 03/07/2018 às 16:19

    Fiquem atentas/os aos prazos para matrículas:

    Dias 03 a 10/07 – 1ª Etapa de Matrículas – Período para matrícula, online no CAGRpara os veteranos e para os ingressantes por transferências e retornos. Nessas datas vocês farão um pedido de matrícula, montando um quadro de horários a partir das disciplinas que pretendem cursar. Calouros ingressante por vestibular ou SISU, que iniciarão o Curso o curso em 2018.2, não precisam fazer nada nesta etapa, pois a matrícula é gerada automaticamente em todas as disciplinas da 1ª fase;

    • Dia 17/07 – ver resultado no CAGR da 1ª Etapa de Matrículas realizada no período de 03 a 10 de julho;
    • Dia 19 a 22/07 – 2º Etapa de Matrículas – Período para ajustes de matrícula para todos os cursos de graduação (online no CAGR). As/os discentes poderão fazer novos pedidos de matrícula levando em conta o resultado da 1ª etapa;
    • Dia 26/07 – ver resultado no CAGR dos ajustes de matrícula realizados de 19 a 22 de julho;
    • Dias 30/07 a 03/08 – Período para ajustes excepcionais (3ª etapa), feito diretamente na secretaria do Curso perante preenchimento de formulário e análise de cada caso.

    ​ * O/A acadêmico/a deverá matricular-se por semestre em no mínimo 13 créditos (ou seja, de 3 a 4 disciplinas) e, no máximo, 30 créditos em disciplinas da matriz curricular do Curso de Pedagogia;

    * Para fazer o pedido de matrícula o/a acadêmico/a deverá levar em conta se atende ao(s) pré-requisito(s) da disciplina (ou seja, ter cursado outra disciplina anteriormente). Para ver o currículo do curso e quais disciplinas exigem pré-requisito deve-se acessar a página do curso – www.pedagogia.ufsc.br – e clicar, na aba à esquerda, em “o curso” → “currículo”  → “Currículo Para Ingressantes a partir de 2009.1 (Clique para acessar)”. Não há mais prazo para solicitações de quebra de pré-requisito para 2018.2, pois a última reunião do Colegiado foi dia 19/06;

    * As aulas no 2º semestre iniciarão dia 30/07. Antes desse dia acesse o CAGR e veja seu “Atestado de Matrícula” ou “Espelho de Matrícula” onde constará as disciplinas em que está matriculado e conseguiu vagas, os horários e localização das salas de aula. No primeiro dia faremos a recepção dos calouros (ingressantes por vestibular e por transferências e retorno), quando passaremos informações importantes sobre o Curso de Pedagogia.

    Abraço,

    Coordenação do Curso”


  • Seminário Literatura de Temática da Cultura Africana e Afro-Brasileira

    Publicado em 19/06/2018 às 13:57

    Cartaz


  • Quadro apresentações TCCs 2018.1

    Publicado em 15/06/2018 às 10:35

    Segue link com o quadro de apresentações dos TCCs 2018.1: estudante, tema, orientador, data, horário e local.

    AGENDAMENTO DEFESAS de TCC Pedagogia 2018-1 .doc 14 de junho -versão final (1)


  • Semana dos TCCs

    Publicado em 15/06/2018 às 10:25
    Nos dias 18, 19 e 20 de JUNHO no período da tarde não haverá aulas na Pedagogia pois, como está no calendário, serão as apresentações dos TCC durantes essas três tardes e é uma ATIVIDADE ACADÊMICA  e de Formação.
    A participação de todos os estudantes é muito importante e além do aprendizado que esta atividade tem e de privilegiar  a escuta dos trabalhos realizados pelos estudantes da NONA fase é  uma atividade extra curricular conforme o currículo da Pedagogia.
    Todas as salas estão disponíveis para as defesas de TCC nesses dias !
    Agradecemos muito a participação de todos e todas!!!
    Professoras Patricia Laura Torriglia e Jocemara Triches
    Coordenadoras do curso de Pedagogia UFSC
    (48) 3721 2252 / 3721 3576

  • Projeto : Longe de Casa: e agora?

    Publicado em 08/06/2018 às 11:19

    O Serviço de Psicologia Educacional oferece vagas para o projeto “Longe de Casa: e agora?”, que tem por objetivo a ambientação dos estudantes de graduação das primeiras fases que vêm de fora da região de Florianópolis.

    Os encontros são em grupo, com dinâmicas participativas e têm como temas principais a ambientação à universidade, a Florianópolis e a formação de novas redes de apoio.

    Os encontros serão nos dias 12, 19 e 26 de junho (terças-feiras) das 10h às 12h no Serviço de Psicologia da CoAEs/PRAE, que fica no térreo da Reitoria 1, final do corredor.

    Para se inscrever, acesse o formulário de inscrição, selecione o projeto “Longe de Casa: e agora?” e as datas de 12,19 e 26 de junho.

    Formulário de inscrição:

    https://goo.gl/forms/hKgkInicy4K4fhtJ2

    Qualquer dúvida, entre em contato com psicologia.prae@contato.ufsc.br .

    Notícia publicada na página sob o seguinte link:

    http://noticias.ufsc.br/2018/06/o-projeto-longe-de-casa-e-agora-oferece-novas-vagas-para-junho/

    Serviço de Psicologia Educacional
    Coordenadoria de Assistência Estudantil – CoAEs
    Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis – PRAE
    Universidade Federal de Santa Catarina

     


  • Aula Pública

    Publicado em 17/05/2018 às 11:19

    O NUVIC – Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre as Violências vem por meio deste convite convidá-lo (la) para participar na próxima quinta – feira, 17 de maio de 2018, as 16h30 da Aula Pública com o tema “OS e seu impacto na Proteção, Promoção e garantia dos Direitos das Crianças. Bloco D sala 109 CED


  • Edital de Transferências e Retornos 2018.1

    Publicado em 17/05/2018 às 11:01

    O Departamento de Administração Escolar (DAE) da UFSC publicou Edital nº 14 para admissão em seus cursos de graduação presenciais e da educação a distância, mediante processo seletivo, para Transferências e Retornos, para o ingresso no segundo período letivo de 2018.

    Mais informações: http://dae.ufsc.br/2018/05/14/vagas-para-transferencias-e-retornos-2018-2/

    O Curso de Pedagogia está ofertando 10 vagas neste edital. A quantidade de vagas e critérios para cada inciso deve ser verificada na Portaria anexada ao EDITAL Nº 014/GD/DAE/2018.

    O  período para requerimento é de: 14/05 a 25/05/2018, na secretaria do curso no qual deseja pleitear a vaga.


  • MOÇÃO DE REPÚDIO AO PREFEITO GEAN LOUREIRO (PMDB) E AOS VEREADORES APOIADORES DO PROJETO DE LEI N. 17484/2018

    Publicado em 20/04/2018 às 13:26

    O Colegiado do Curso de Pedagogia, reunido no dia 17 de abril do corrente ano, deliberou, por unanimidade por uma MOÇÃO DE REPÚDIO à Prefeitura Municipal de Florianópolis e ao Prefeito Gean Loureiro (PMDB) e seus Vereadores apoiadores do Projeto de Lei n. 17484/2018.

    Uma moção de repúdio ao Prefeito Gean Loureiro (PMDB) pela proposição do Programa “Creche e Saúde Já”, apresentado à Câmara de Vereadores do Município por meio do Projeto de Lei n. 17484/2018, que propõe a contratação de Organizações Sociais (OS), de direito privado, para gerenciarem – inicialmente – 10 novas creches e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Continente. O repúdio se estende a todos os vereadores apoiadores do Prefeito que estão induzindo a aprovação do referido projeto em caráter de urgência, sem amplo debate e escuta dos maiores envolvidos e interessados – profissionais da educação e saúde e comunidade usuária de educação e saúde do município.

    Repudiamos Prefeito e Vereadores, pois estão ludibriando servidores e a comunidade florianopolitana com outras novas falsas promessas no que tange a ampliação e qualidade da oferta de educação e saúde, como se não restassem alternativas que não a adesão às OS na Rede Municipal. Está evidente que o compromisso de ambos é com o setor privado e não com o serviço público estatal, gratuito e de qualidade. Repudiamos também aos ataques que tem feito à mobilização da categoria e a falta de diálogo e intransigência. Por sinal, desde que o Prefeito assumiu a prefeitura, os ataques aos servidores e à educação tem sido constantes – vide reformulação da carreira, oferta de vagas na educação infantil pelo setor privado por meio de isenção de impostos, adesão às OS etc.

    As OS não são sinônimos de economia do dinheiro público, muito menos de qualidade do serviço prestado. Quem mora em Florianópolis e/ou usa o Hospital Universitário sabe e sente na pele que com a administração da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), desde 2015, o atendimento do HU piorou muito! A própria mídia local de rádio, televisão e jornal tem noticiado esse fato. . Em outras regiões do país o resultado é o mesmo, como relata o Conselho Regional de Farmácia de Santa Cataria (2018)[1]:

    “No Rio de Janeiro, De 2009 a 2012, os valores repassados para as Organizações Sociais cresceram aproximadamente 227%, só em contratos aditivos. Em 2014 eram 7 organizações sociais diferentes gerindo o mesmo serviço de Atenção Primária em Saúde no município, e em agosto de 2017 elas ameaçaram fechar 11 unidades básicas de saúde. Não tão distante, desde 2013 o Hospital Florianópolis passou a ser administrado por uma OS. Desde então reduziu as especialidades ofertadas, fechou leitos na UTI, suspendeu atendimentos nas emergências, diminuiu o número de cirurgias eletivas e nos últimos dois anos atrasou os salários dos trabalhadores por mais de 7 vezes. A situação ficou tão calamitosa que o próprio Governo estadual foi obrigado a quebrar o contrato com a empresa”.

    As OS, implementadas a partir da Lei nº 9.637, de 15 de  maio de 1998, como parte de um pacote de políticas neoliberais do governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) representam estratégias de privatização de direitos sociais, colocando-os como serviços, como mercadorias, que podem gerar lucros ao setor privado. Na prática, elas possibilitam: a) mais gastos com o custo de uma OS e menos investimentos na educação e saúde; b) fragmentação da educação infantil na Rede Municipal sendo que algumas Instituições estarão à mercê da política das OS e outras da Secretaria Municipal de Educação; c) fim do funcionalismo público, com diferenciação e rebaixamento de salários dependendo da instituição em que atuarem; d) fragmentação da categoria dos profissionais da educação e da saúde (visto que alguns serão servidores públicos e outros funcionários das OS, com outras formas de contrato de trabalho); e) precarização do serviço e intensificação do trabalho dos profissionais que nestes setores atuarem; f) fim da gestão democrática nas escolas (que é um dos princípios da educação garantidos na Constituição Federal de 1988 e Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996); g) possibilidade futura de cobranças pelos serviços prestados; h) dificuldade de controle social e da participação efetiva na construção das políticas de saúde e educação; i) retirada de conquistas históricas da educação e saúde como DIREITOS e não como uma mercadoria vendida pelo setor privado. Ou seja, sairemos perdendo!

    Por fim, conclamamos a população, principalmente aqueles que defendem e entendem a importância de políticas públicas para educação e saúde, que apoiem os servidores municipais e somem forças nesta luta.

    Florianópolis, 18 de abril de 2018.

    Colegiado do Curso de Pedagogia

    [1] Disponível em: < https://crfsc.gov.br/nao-os/>. Acesso em 17/04/2018.


  • MOÇÃO DE APOIO AOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE FLORIANÓPOLIS EM GREVE

    Publicado em 19/04/2018 às 14:49

    O Colegiado do Curso de Pedagogia, reunido no dia 17 de abril do corrente ano, deliberou, por unanimidade por uma MOÇÃO DE APOIO aos servidores municipais de Florianópolis em greve contra o Projeto de Lei n. 17484/2018.

    As Organizações Sociais (OS) não são sinônimos de economia do dinheiro público, muito menos de qualidade do serviço prestado. Quem mora em Florianópolis e/ou usa o Hospital Universitário sabe e sente na pele que com a administração da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), desde 2015, o atendimento do HU piorou muito! A própria mídia local de rádio, televisão e jornal tem noticiado esse fato.  Em outras regiões do país o resultado é o mesmo, como relata o Conselho Regional de Farmácia de Santa Cataria (2018)[1]:

    “No Rio de Janeiro, De 2009 a 2012, os valores repassados para as Organizações Sociais cresceram aproximadamente 227%, só em contratos aditivos. Em 2014 eram 7 organizações sociais diferentes gerindo o mesmo serviço de Atenção Primária em Saúde no município, e em agosto de 2017 elas ameaçaram fechar 11 unidades básicas de saúde. Não tão distante, desde 2013 o Hospital Florianópolis passou a ser administrado por uma OS. Desde então reduziu as especialidades ofertadas, fechou leitos na UTI, suspendeu atendimentos nas emergências, diminuiu o número de cirurgias eletivas e nos últimos dois anos atrasou os salários dos trabalhadores por mais de 7 vezes. A situação ficou tão calamitosa que o próprio Governo estadual foi obrigado a quebrar o contrato com a empresa.”

    As OS, implementadas a partir da Lei nº 9.637, de 15 de  maio de 1998, como parte de um pacote de políticas neoliberais do governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) representam estratégias de privatização de direitos sociais, colocando-os como serviços, como mercadorias, que podem gerar lucros ao setor privado. Na prática, elas possibilitam: a) mais gastos com o custo de uma OS e menos investimentos na educação e saúde; b) fragmentação da educação infantil na Rede Municipal sendo que algumas Instituições estarão à mercê da política das OS e outras da Secretaria Municipal de Educação; c) fim do funcionalismo público, com diferenciação e rebaixamento de salários dependendo da instituição em que atuarem; d) fragmentação da categoria dos profissionais da educação e da saúde (visto que alguns serão servidores públicos e outros funcionários das OS, com outras formas de contrato de trabalho); e) precarização do serviço e intensificação do trabalho dos profissionais que nestes setores atuarem; f) fim da gestão democrática nas escolas (que é um dos princípios da educação garantidos na Constituição Federal de 1988 e Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996); g) possibilidade futura de cobranças pelos serviços prestados; h) dificuldade de controle social e da participação efetiva na construção das políticas de saúde e educação; i) retirada de conquistas históricas da educação e saúde como DIREITOS e não como uma mercadoria vendida pelo setor privado. Ou seja, sairemos perdendo!

    Por esses motivos apoiamos aqueles que não fogem da luta e mostram, de forma organizada, fortalecida e democrática, que defendem a educação e saúde como um direito. Estamos ao lado de vocês e desejamos muita força e unidade nestes tempos sombrios.

    Por fim, conclamamos a população, principalmente aqueles que defendem e entendem a importância de políticas públicas para educação e saúde, que apoiem os servidores municipais e somem forças nesta luta.

     Florianópolis, 18 de abril de 2018.

    Colegiado do Curso de Pedagogia

    [1] Disponível em: < https://crfsc.gov.br/nao-os/>. Acesso em 17/04/2018.


  • OFICINAS GRATUITAS SERVIÇO PSICOLOGIA PRAE

    Publicado em 19/04/2018 às 9:48

    Atenção acadêmicas/os do Curso de Pedagogia!
    Você está tendo dificuldades para se organizar nos estudos e/ou de estabelecer hábitos de estudo? Tem pouco tempo para se dedicar aos estudos e quer otimizá-lo? Está passando por problemas pessoais, financeiros, emocionais que estão afetando seu rendimento no curso? Veio de outra cidade/estado e tem sentido dificuldade de ficar longe de casa? Está em dúvida se é este o curso que você quer fazer e não sabe por onde começar? Em caso positivo para alguma dessas perguntas  informamos que a UFSC tem alguns setores e projetos que podem te ajudar. Você não precisa dar conta de tudo sozinho/a.
    Entre os apoios que pode buscar estão oficinas de curta ou média duração, totalmente gratuitas ofertadas pelo Serviço de Psicologia da PRAE:

    “- “Longe de Casa: e agora?” – voltado aos estudantes das primeiras fases e vindos de fora de Florianópolis

    – Autogerenciamento do Desempenho Acadêmico – tem por objetivo a identificação das atividades mais desafiadoras no percurso acadêmico e a elaboração e o compartilhamento de estratégias para um melhor desempenho.

    – “Quanto Tempo Você Tem?” – voltado para a questão do uso tempo em função das prioridades e projeto de vida de cada participantes.”

    Para se inscrever e buscar mais informações sobre elas podem escrever ou ligar: psicologia.prae@contato.ufsc.br ou telefone 3721-6468″

    Para além dessas oficinas a UFSC conta com três setores que ofertam atendimento com psicólogas ou com pedagogas orientadoras educacionais. Estas profissionais poderão te ajudar a entender o momento que você pode estar passando, dar encaminhamentos para tentar resolver o problema/a dificuldade e ajudar na orientação de estudos.  Os contatos desse local são:

    1)Serviço de Psicologia da PRAE: podem “agendar atendimentos de orientação individual voltados para as questões acadêmicas e da vida universitária através do e-mail psicologia.prae@contato.ufsc.br ou telefone 3721-6468″ (o setor fica no térreo da Reitoria I).
    2) SAPSI (Serviço de Atenção Psicológica) – atendem das 8h-21h de segundas as quintas-feiras; sexta-feira 8h às 18h. Para o acolhimento (atendimento com psicóloga/o) não é necessário marcar horário, mas comparecer pessoalmente no setor que fica no 2º andar, BL-D/CFH – Fone: 3721-9402 – 3721-4989, email: sapsi@cfh.ufsc.br
    3) Coordenadoria de Avaliação e Apoio Pedagógico (PIAPE) – apoiopedagogico@contato.ufsc.brTelefones:(48)3721-4868,  3721-8307
    O PIAPE oferta uma dezena de oficinas/cursos para ajudar na produção textual, na oratória, na interpretação de textos etc.

    Lembre-se que esses são serviços que podem ajudar a dar condições de permanência para você.
    Em caso de dúvidas, procure a coordenação do curso.
    Abraço,
    Coordenadoras do Curso de Pedagogia”

    Abraços

    Professoras Patricia Laura Torriglia e Jocemara Triches

    Coordenadoras do curso de Pedagogia UFSC

    (48) 3721 2252 / 3721 3576


  • Moção de Repúdio

    Publicado em 06/04/2018 às 11:55

    MOÇÃO DE REPÚDIO

    O Colegiado do Curso de Pedagogia desta Universidade, reunido no último dia 20 de março, sensibilizado e em apoio à luta da categoria docente da Rede Municipal de São Paulo e contra o assassinato da Vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), deliberou pela construção de uma moção de repúdio à violência contra aqueles que lutam por direitos trabalhistas e em defesa dos direitos humanos. Entendemos que ambos os casos são violências que afetam (in)diretamente a frágil democracia desse país, as políticas sociais, a educação, a formação e o trabalho docente, portanto, são problemas nossos! As pautas dos docentes vitoriosos de São Paulo, que conseguiram barrar no dia 27 de março a reforma da previdência proposta pelo Prefeito, e as bandeiras defendidas pela vereadora Marielle também são nossas! Entendemos que deve ser amplamente repudiada e denunciada a truculência policial, a defesa ou a ameaça de nova ditadura no Brasil e a falta de celeridade nas investigações e punição daqueles responsáveis pela perseguição política, pela agressão física, pelo assédio e pelo assassinato dos que lutam para não perderem seus direitos e, principalmente, dos que levantam bandeiras e denunciam as barbáries ocorridas neste país. Entendemos que é tempo de nos posicionarmos explicitamente ao lado dos movimentos sociais, pela luta em favor da educação pública, gratuita e de qualidade, em favor de melhores condições de trabalho e pela valorização do trabalho docente. Podem silenciar a voz de uma pessoa, mas não calarão a multidão! Não queremos e não podemos fechar os olhos, como disse o poeta Bertold Brecht (1898-1956)

    “Primeiro levaram os negros 

    Mas não me importei com isso
    Eu não era negro
    Em seguida levaram alguns operários
    Mas não me importei com isso
    Eu também não era operário
    Depois prenderam os miseráveis
    Mas não me importei com isso
    Porque eu não sou miserável
    Depois agarraram uns desempregados
    Mas como tenho meu emprego
    Também não me importei
    Agora estão me levando
    Mas já é tarde.
    Como eu não me importei com ninguém
    Ninguém se importa comigo.”

                                                                                                             Florianópolis, 04 de abril de 2018.

     

    COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

    DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA!

     


  • NOTA ANDES

    Publicado em 06/04/2018 às 9:25

    NOTA DA DIRETORIA DO ANDES-SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕDES DE ENSINO SUPERIOR SOBRE O
    PROGRAMA DA RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA.

    Continue a leitura » »